Diário de Bordo Mudanças Recentes dedalu.art.brTagsRSS RSS

Diário de Bordo

Sou Hélio Nunes (DeDaLu), artista etc., e este é o meu caderno de notas e diário de bordo. Anoto aqui impressões, comentários, críticas, teoria e tudo o que está relacionado à minha vivência e pesquisa da arte contemporânea, principalmente em Belo Horizonte. É um blog e também um wiki (SobreWiki).

Diário diariamente

2011-02-09 Samba e Imagens de Afeto

Fim de férias… Ainda não totalmente.

A maioria das pessoas procura um viés artístico como parte de suas férias. Afinal, arte é uma necessidade do tempo livre. Melhor dizendo: arte é uma necessidade, ponto. Mas boa parcela só pode necessitar dela em seu tempo livre. (Caso a pensar: maioria, parte, parcela: viva a língua portuguesa!)

Bom. Como minha profissão é arte, minhas férias são mais ou menos sem arte. Mais ou menos porque é necessidade, então há alguma arte, como o caso do grupo Rubim do Bandolim que provou que Timóteo (cidade do interior de Minas Gerais, não tão interiorana) não só faz samba também, como faz melhor que os sambas burocráticos que andei ouvindo em Belo Horizonte (capital de Minas). Vai aí um e-mail de um ótimo sábado: rubimdb@uai.com.br, bem como dois telefones: 3848-1776 e 9126-1959 (o código, acho, é 31, 55 31).

Ainda não fui à reedição da Bienal de SP em BH, vou amanhã e comento.

Mas vi uma boa exposição, daquelas que gosto, isto é, sem a pompa que a arte anda exigindo: Imagens de Afeto na COPASA, na galeria vitrine da empresa COPASA, que é parte (maioria, parcela) do que sobra aos artistas de Minas para expor: duas paredes. Algum dia alguém vai entender essa minha implicância, indo à empresa COPASA (e a qualquer outro espaço expositivo de BH) e percebendo que são apenas duas paredes em ‘L’ para as quais há concorrência…

Fui porque duas amigas minhas estão expondo, senão continuaria de férias.

Há um quê de dor em todas as obras, nalgumas dor explícita, noutras, latente. Nas que gosto mais, a dor aparece como uma sorte de desconforto.

Camila Otto alcançou uma regularidade interessante, talvez uma síntese cujo alcance é um abismo: fotografias de rostos e mãos, separados uns dos outros, uma série de sorrisos meio amarelos e mãos postas meio tímidas, de pessoas não tão jovens, donde depreendemos mortas. Há uma retícula nas fotos, “artificação” desnecessária, acho.

Camila Otto, série Muito mais que raízes, 2009
Camila Otto, série Muito mais que raízes, 2009
Nilcéa Moraleida, Rafael, 2009
Nilcéa Moraleida, Rafael, 2009

Nilcéa Moraleida é pintora, caso raro. Mas faz fotos, digo, retratos, não, fotos. Faz buracos onde se cai, retratos de família pintados, num exercício que nos diz que as obras de arte (em geral) terminam sempre autobiográficas. Me explico: tenho intolerância com autobiografias de artistas, digo que as obras terminam sempre autobiográficas porque, no fim, é a própria vida o que o espectador coloca na obra que admira.

Rachel Leão, da série Remendando o tempo ponto por ponto, 2009
Rachel Leão, da série Remendando o tempo ponto por ponto, 2009

Rachel Leão faz pintura, mas é desenhista. Diz algo em francês sobre o tempo e a inevitabilidade da perda; explica o que são esses retratos que não precisavam explicação, do que gostei. Só não gostei do exagero dos penduricalhos pulmão, estômago e coração: eles morreram disso? de que mais morrem as pessoas? Bastariam os retratos, acho, suficientemente pungentes.

Bom quase fim de férias, vale a pena ir à COPASA e ligar para os sambistas de Timóteo.

Adicionar Comentário

2010-11-28 Grupo de Pesquisa realiza mesa e lançamentos

Como sabem, faço parte do grupo de pesquisa Estratégias da Arte numa Era de Catástrofes (Grupo), coordenado pela Profª Maria Angélica Melendi (Piti), da EBA-UFMG. Há muito tínhamos intenção de fazer um novo site para o Grupo, bem como publicar uma revista eletrônica, a Lindonéia. Depois de muito trabalho, vamos lançar ambos nesse dia 3 de dezembro:

O Grupo recebe Eduardo de Jesus para mesa e lançamentos
O Grupo recebe Eduardo de Jesus para mesa e lançamentos

O site http://www.estrategiasarte.net.br foi desenvolvido por mim, usando o Drupal. Ainda estamos preenchendo os conteúdos, mas o site já se destaca pela qualidade das imagens publicadas pelos membros do Grupo.

Adicionar Comentário

2010-11-27 Seminário Conservação

Cartaz do 1º Seminário Ciência e Conservação
Cartaz do 1º Seminário Ciência e Conservação

A convite da Profª Drª Yacy-Ara Froner, participarei do 1º Seminário Ciência e Conservação, que ocorre entre 1º e dia 3 de dezembro. Confira a programação e demais informações em: http://www.eba.ufmg.br/pos/teoriacontexto/.

Minha comunicação, que ocorrerá dia 3, será Hipótese da dupla substituição / duplo registro em um museu-limite, cujo resumo segue:

Narra a apropriação anárquica de alguns temas da ciência da conservação (especialmente a marca inespecífica do operador e formas inovadoras de reintegração, como o Projeto Mantegna), relacionando-os à arte contemporânea e à proposição conceitual Fotografia do Museu, para sugerir a hipótese de dupla substituição / duplo registro da obra de arte (uma redundância propiciada pela técnica), cuja radicalidade aponta para o fim de qualquer originalidade fundamental, resultando na possibilidade de um museu totalmente substituído, ausente. Discute então a tensão da aura nos fac-símiles da Factum Art (como a “devolução” fac-similar do painel Bodas de Canaã de Veronese ao Refeitório Paladino de Veneza) e na utilização destes por Peter Greenaway na 53a Bienal de Beneza, bem como a diferença desses em relação à reintegração digital do afresco de Mantegna em Pádua.

Adicionar Comentário

2010-11-12 Fotografia e mercado

“Mercado de arte” sempre foi um tema espinhoso e geralmente muito mal compreendido, dadas as posições sintomaticamente antinômicas: negação, aceitação tácita, aceitação comemorativa etc. (Seria uma proposta válida criar uma disciplina específica nos cursos de arte?)

Some-se a isso uma das características mais essenciais da fotografia, a reprodutibilidade técnica, que bem serviu de arma contra a reificação das obras de arte, pela possibilidade de desfazer o fetichismo; mas cujo controle – tiragem e encarniçamento dos direitos autorais – transforma-a tão-só num mecanismo de equilíbrio do valor de mercado, resultando na capacidade de transformar uma produção, por definição, ilimitada quantitativa e qualitativamente – me refiro aos inúmeros formatos e materializações possíveis de uma mesma foto – em um objeto artístico ou artificado (por definição, limitado e com aderência de alguma aura, por mais fina que seja).

Ora, então “fotografia e mercado” é um tema dos mais emocionantes e é muito bem-vindo o simpósio A Fotografia e o Mercado das Artes, promovido pela Fototech-MG, “junto ao Departamento de Fotografia, Teatro e Cinema da UFMG”, segundo email que recebi.

Não creio que o tema venha a ser tratado nesses termos que expus, mas confio, principalmente, que o amigo João Castilho – cuja palestra é “O fotógrafo e a obra artística” – trará boas questões para o debate.

Adicionar Comentário

2010-11-01 Algo inédito houve hoje

Nem mais nem menos a falar: houve algo inédito hoje! Parabéns ao Brasil!

Adicionar Comentário

2010-10-29 Uma America Latina feminina

Néstor Kirchner faleceu e, à parte os pêsames, bem pesados em sua contribuição para a política latino-americana, quem está lá é a Cristina; daí que é ela – e não ele! – a figura politicamente mais importante da Argentina hoje, apesar do que disse a Rede Globo…

A Globo disse que Néstor é mais importante que a Cristina logo após o debate maravilhosamente vencido por Dilma. E, detalhe, melhor debate dela na campanha!, apesar da manipulação das câmeras, incluindo as gordurinhas naturais da senhora, mas sem destaques para a brilhante careca do cavalheiro… natural para ele, diga-se de passagem. A Globo disse que quem mandava era Néstor e não foi a toa. Isso já passou dos limites!

E o Papa, carpideiro? Sabia que essa palavra só existe no feminino? “’Carpideira’: mulher a quem se paga para chorar os mortos”. Impressionante, hoje conheço mais carpideiros que carpideiras… E o Papa, carpideiro de um mundo que não aceita as mulheres, veio interferir (onde foi chamado, isso é importante!) contra as mulheres. Quer dizer que mulher vai, automaticamente, defender aborto, eutanásia? E os homens defendem o quê? Já leram as bulas papais? Nós somos deles ainda, sabiam? Romanus Pontifex de 8 de janeiro de 1454 diz para nos subjugar, invadir e tomar pela força. Do que, pelo princípio da infalibilidade papal, deduz-se ainda em validade.

Mas e os homens defendem o quê? É hora de por fim ao obscurantismo! Ninguém em sã consciência, exceto os cristãos do 3º Reich, defendem o aborto! A questão é deveras outra!

Mas tem algo aí, não? Quer dizer que mulher é mais humanista, tem princípios caridosos, é contra o obscurantismo e a Santa Inquisição! E os homens são pela tortura eterna? Como ser favorável a uma religião que prega a tortura eterna?

Mas, em tudo, por tudo, o que assusta é o machismo!

A América Latina hoje é feminina e faltará gênero ao seu gentílico, visto que não é pela masculinidade ou pela feminilidade que se liberta ou se compraz, mas tão-só por si mesma! E agora é a hora da liberdade!

E não faltam músicas: Todas as vozes, todas / Todas as mãos, todas…

http://www.youtube.com/watch?v=icrCSlBGkl0

Adicionar Comentário

2010-10-17 O mais atual dos poemas

Eduardo Alves da Costa (e não Maiakovski, nem Brecht) em 1964:

“Na primeira noite eles se aproximam / roubam uma flor / do nosso jardim. / E não dizemos nada. / Na segunda noite, já não se escondem: / pisam as flores, / matam nosso cão, / e não dizemos nada. / Até que um dia / o mais frágil deles / entra sozinho em nossa casa, / rouba-nos a luz, e, / conhecendo o nosso medo / arranca-nos a voz da garganta. / E já não dizemos nada.”

Este poema nunca pareceu tão atual…

Adicionar Comentário

Mais...



Pesquisas

Anotações sobre pesquisas em que me envolvi:

Palestras

Miscelânea

Meu procedimento artístico e algumas idéias desconexas:

Links