Diário de Bordo Mudanças Recentes dedalu.art.brTagsRSS RSS

InterMídia

Anotações sobre palestras do Prof. Claus Clüver (Indiana University) na UFMG.

Intermidialidade e Estudos Interartes, 30 ago. 2007

Foi uma conferência sobre o estado atual do campo Intermidialidade, que, apesar de contar com raízes nos primórdios da filosofia ocidental, ainda está em gestação. Houve especial atenção à definição de intermídia. Alguns termos talvez mais apropriados, como intersemiótica, por exemplo, não podem ser traduzidos para línguas importantes; daí a escolha de mídia (o plural de media, que já se transformou em singular) apesar da palavra estar comumente associada à materialidade do suporte. Mídia, nesse contexto, deve ser compreendida largo senso: aquilo que transmite signos através de homens com receptores adequados, em uma distância.

Para fins didáticos, Clüver propôs uma diferenciação entre transmídia, multimídia, mixmídia e intermídia como no quadro que procuro reproduzir a seguir:

tipooperaçãoesquemaexemplos
transmídiatransposiçãoimagem>texto; texto>imagemcrítica de arte, écfrase, fotonovela
multimídiajustaposiçãoimagem|textotítulo de pintura, emblema, livro ilustrado
mixmidiacombinaçãoimagem+textocartaz, história em quadrinhos, selo postal
intermídiafusãoitmeaxgteomtipografia, caligrama, poesia concreta

Mas salientou que a pesquisa intermidiática não se resume à definição dessa tipologia. Infelizmente, ele não havia preparado exemplos de hipóteses de pesquisa trabalhadas no campo. Nas palestras seguintes, espero poder sentir um gostinho mais prático do que é Intermidialidade.

Considerei muito interessante a afirmação de que intertextualidade sempre implica intermidialidade. Vai daí que a categoria base é mídia e não arte. Interartes estaria, portanto, subsumida na intermídia. Nesse contexto, ele citou como exemplo a leitura e análise da poesia concreta, que, via intermídia, seria completamente distinta da realizada dentro dos campos tradicionais da literatura. Discutiu, por exemplo, o poema visual de Augusto de Campos, Cage Chance Change (infelizmente não consegui uma imagem na internet), demonstrando como exige intertextos e domínio de códigos muito diferentes por parte do receptor.

Esse, parece, é o principal objeto de estudo: investigar as expectativas e capacidades do receptor, lidando com questões como materialidade, recepção performática, novas formas de arte etc.